terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Roger Floyd - No Service (2018) Canadá


Roger Floyd Diz:
"E se os Pink Floyd ainda estivessem produzindo álbuns conceituais? Esta é a pergunta que eu fiz há anos atrás. Sei que esta é uma questão que só seria convidado por um grande fã dos Pink Floyd, mas ainda me questionei.
Eu me perguntava se a geração mais nova ouviu os despertadores tocarem no início do "Time" se eles saibam o que era esse som. Os relógios do avô e qualquer outro relógio não digital estão quase extintos. Uma música atualizada teria ringtones em vez disso? Será que tem o mesmo impacto?
Logo, comecei a escrever músicas relacionadas com o mundo digital atual em que vivemos, coisas importantes para mim e que eu tinha opiniões fortes. Depois, comecei a entender como essa tecnologia mudou nossos relacionamentos. Eu assisti amigos e casais dividir um dispositivo entre eles para que eles sempre tenham uma estratégia de saída da comunicação verdadeira. Isso me deu a ideia de escrever a história de um casamento dissolvente que a tecnologia ajudou a destruir.
Em suma, este álbum é a minha tentativa de:
a) Escrever um álbum conceitual sobre um casamento em deterioração devido à tecnologia e b) Sondar Pink Floyd tanto quanto como pude. Isso foi gravado em meu home-studio sozinho com alguma ajuda vocal de Diana Planche e Lyra Howell.
Este não é um álbum moderno, não é cativante, rápido ou edificante, mas é expressivo do meu estado mental atual e acho que aborda um tópico que está se tornando cada vez mais uma questão e possivelmente um problema ".



Temas:
01. Zeros and Ones
02. Bluish Glow
03. The Ballad of Mark Zuckerberg Parts 1 & 2 (Another Post on the Wall)
04. Got a Text
05. All Caught Up
06. Bot and Paid For
07. Me, My Selfies and I
08. Five Screens
09. The Ballad of Mark Zuckerberg Part 3
10. No Service
11. Does Anybody Have Wifi?
12. Ones and Zeros


Sem comentários:

Publicar um comentário