terça-feira, 28 de janeiro de 2020

Seventh Wonder - The Great Escape (2010) Suécia


O álbum anterior dos Seventh Wonder "Mercy Falls" era um álbum conceitual progressivo bem recebido, e chamá-lo de "obra-prima" não estaria muito longe da verdade na minha opinião. Seguir um álbum importante como esse é uma tarefa séria, mas fico feliz em dizer que o Seventh Wonder não pensou muito sobre isso - eles acabaram de criar outra obra-prima do metal progressivo! Sim, "The Great Escape" É o álbum que elevará a banda a outro nível, e se não prestaste muita atenção a elas antes, agora é a hora de pular a bordo deste comboio. Não estou falando apenas de fãs de programa, este álbum tem muito a oferecer para qualquer um que curte melódico metal ou rock. Eles têm algumas das melhores melodias que provavelmente ouvirás em qualquer lugar, as harmonias vocais são excelentes, a produção é brilhante, sem mencionar as letras ... ou a musicalidade excepcional ... Eu realmente não consigo encontrar nenhuma razão para não dar a este álbum todos os pontos. Ok, o título já foi usado algumas vezes antes, mas é algo com o qual posso viver.
O álbum tem apenas 7 músicas, seis delas têm uma duração um tanto normal (quatro a oito minutos), enquanto a faixa-título é meia hora completa de música. As seis faixas "mais fáceis" têm uma coisa em comum - todas elas possuem refrões melódicos maciços. Tu podes ter ouvido a faixa do vídeo "Alley Cat", que é um bom exemplo da capacidade da banda de combinar música progressiva e complexa com ganchos excelentes. Tenho certeza de que existem outras cinco faixas que se encaixam nessa descrição, mesmo que todas tenham sua própria identidade. Há o uptempo, ainda que ultra-melódico, "Wiseman", o complexo "The Angelmaker" e "King Of Whitewater", com muitas faces, ambos com elementos de baladas, mas também algumas partes frenéticas. "Long Way Home" pode surpreender alguns, pois uma balada curta que deve atrair até mesmo os fãs mais exigentes do AOR. Um possível hit de rádio? "Move On Through" é outra faixa mais curta (apenas cinco minutos!), novamente abençoada com um refrão que a maioria das bandas do AOR sonha em escrever...
A faixa-título requer um capítulo próprio, pois não pode ser descrita em poucas palavras. Baseado na saga espacial "Aniara" (1956) do ganhador do Prémio Nobel da Suécia Harry Martinson, ele começa com uma parte de balada acústica, que a banda usou como fita de introdução em seu show. Esses são os dois primeiros minutos. Os próximos três minutos e meio são gastos com um humor mais metálico, embora o trabalho do teclado me lembre um pouco das óperas de pomp rock de Robby Valentine. O vocalista Tommy Karevik é solto após a parte instrumental e domina a obra pelos próximos minutos. O clima muda quando o relógio atinge a marca de dez minutos, e a banda entra numa "música dentro de uma música" dirigida por piano. Esta parte da obra é a minha favorita, e poderia funcionar como uma música em si. há outro gancho insanamente cativante escondido aqui. Após esse " hit", o ritmo é elevado a um nível frenético e passamos para a marca dos 16:30. Então é hora de diminuir a velocidade por um tempo, e temos um momento de balada. A partir dos 18:20 em diante, provavelmente é um paraíso para os fãs de prog, pois terás muitas mudanças de andamento e truques instrumentais. Felizmente, a banda lança algumas melodias muito agradáveis, para que nunca se torne entediante para aqueles de nós que não são tão inclinados ao progressivo. A irmã de Tommy, Jenny Karevik, acrescenta alguns vocais à música, provando que há muito talento na família Karevik.





Temas:
1.Wiseman - 5:42
2.Alley Cat - 6:06
3.The Angelmaker - 8:29
4.King of Whitewater - 7:20
5.Long Way Home - 4:26
6.Move on Through - 5:04
7.The Great Escape - 30:14
I - "...And the Earth Wept"
II - "Poisoned Land" (instrumental)
III - "Leaving Home"
IV - "Take-Off"
V - "A Turn for the Worse"
VI - "A New Balance"
VII - "Death of the Goddesses"
VIII - "The Age of Confusion: Despair"
IX - "The Age of Confusion: Lust"
X - "The Age of Confusion: Reason"
XI - "The Aftermath"
XII - "Dining on Ashes"
XIII - The Curtain Falls
Banda:
Tommy Karevik - Vocals
Andreas Soderin - Keyboard
Johan Liefvendahl - Guitar
Andreas Blomqvist - Bass
Johnny Sandin - Drums
Jenny Karevik - additional vocals
Johan Larsson - additional vocals
Arto Jarvella - violin on "King Of Whitewater"






Sem comentários:

Publicar um comentário