sábado, 18 de janeiro de 2020

POST DA SEMANA : Steve Harris' BRITISH LION - The Burning (2020) UK



Como os fãs dos Iron Maiden estarão mais do que conscientes, Steve Harris esteve bastante ocupado nos sete anos que se passaram entre o primeiro álbum dos British Lion e a chegada do The Burning. Francamente, é difícil imaginar exatamente como o baixista encontrou tempo para escrever e gravar este novo material, mas os fãs do rock tão clássico ficarão muito agradecidos por ele.
Na verdade, o primeiro disco dos British Lion não acendeu o mundo exatamente, apesar de ser muito bom. Um disco de hard rock estoicamente direto e dirigido por melodia, estava cheio de ótimas músicas e momentos brilhantes, com o estrondo de Harris dominando o fundo sonoro e a voz envolvente do vocalista Richard Taylor liderando.
Se houve uma desvantagem, foi que uma produção um pouco irritada e enlameada garantiu que o álbum fosse um gosto adquirido e, apesar de ótimas críticas, não foi tão comemorado quanto tu imaginas que um projeto paralelo de Steve Harris possa ser. Felizmente, The Burning parece muito mais enérgico e poderoso do que seu antecessor, além de dar a impressão distinta de que os British Lion evoluiram para um conjunto ardente e característico, com uma forte identidade própria.
Ainda estamos firmemente no território tradicional do rock aqui, e o amor de Harris por UFO e Golden Earring permanece tão alegremente visível como sempre, mas graças a um som mais brilhante e arejado e as inconfundíveis dicas de looseness e swagger, tudo, desde a faixa título animadora até a Bible Black brilha com frescura e vigor estranhamente jovem.
Enquanto muitas bandas de rock clássicas contemporâneas parecem empenhadas em reproduzir as especificidades estéticas de épocas passadas, músicas como o tema de abertura City Of Fallen Angels e o single Lightning claramente favorecem a atemporalidade sobre a nostalgia. Da mesma forma, a melancolia mais próxima de Native Son usa suas influências prog com orgulho e ousa caminhar por um caminho acústico mais contido, mas a soma dessas partes é simplesmente uma balada de rock irresistivelmente triste, digna de qualquer época que queiras mencionar.
Pode ser significativo que o baixo de Harris seja menos dominador pela segunda vez: seus dedos absurdamente ágeis ainda impulsionam as músicas, aumentando tudo com esses acordes e floreados da marca registrada, mas nunca turvando as águas sônicas com um fundo excessivamente estrondoso. Enquanto isso, Taylor canta com desenvoltura descontraída por toda parte, claramente emocionado por fazer parte de um trabalho tão honesto e despretensioso, e abençoado com uma ajuda generosa de canções brilhantes para cantar.




Temas:
1. City Of Fallen Angels
2. The Burning
3. Father Lucifer
4. Elysium
5. Lightning
6. Last Chance
7. Legend
8. Spit Fire
9. Land Of The Perfect People
10. Bible Black
11. Native Son
Banda:
Steve Harris - Bass (Iron Maiden, ex-Gypsy's Kiss, ex-Smiler)
Simon Dawson - Drums (ex-Dearly Beheaded, ex-Deep Switch, The Dead Soul Communion, ex-Devilment, ex-Airrace, ex-The Outfield)
Grahame Leslie - Guitars (ex-The Outfield (live))
David Hawkins - Guitars, Keyboards (ex-Inner Sanctum)
Richard Taylor - Vocals




Sem comentários:

Publicar um comentário