terça-feira, 27 de agosto de 2019

Tool - Fear Inoculum (2019) USA


Foi uma longa espera pelo novo álbum dos TOOL - mas valeu a pena. Em “Fear Inoculum”, o primeiro álbum dos Tool em 13 anos foi lançado em 30 de agosto, a banda permanece desafiadoramente contrária ao mundo digitalmente e auto-sintonizado em que vivemos atualmente. Eles continuam a confundir as linhas entre arte, psicadélica, alt metal e rock progressivo com curiosidade e habilidade inabaláveis.
Este compromisso de criar seu próprio caminho já rendeu à banda três Grammys e um exército de fãs grandes demais para serem chamados culto de seguidores, e ainda muito fervorosos para ser qualquer outra coisa.
Aqueles que esperaram desde o 10,000 Days de 2006 por um novo álbum vão encontrar muita coisa para festejar entre as sete novas músicas dos Fear Inoculum.
Os Tool nunca seguiram as estruturas ou restrições do rock e da música pop, mas ainda assim, há algo surpreendentemente acessível sobre o efeito geral do álbum. A faixa-título começa de forma desarmada com um padrão repetitivo de três notas, evocando Philip Glass tanto quanto os Metallica, lentamente se transformando numa obra de beleza e grandeza sombrias. Sim, ainda há drama e escuridão à espreita não muito abaixo da superfície, mas - ousamos dizer isso? - parece que os homens se aproximam do apocalipse com um sorriso.
O desejo de viajar da banda é evidente não apenas através das faixas do álbum, mas dentro de cada uma delas. Por exemplo, “Pneuma” muda de uma aventura musical vagamente do Oriente Médio repleta de linhas de sintetizadores psicadélicos para linhas de guitarra blues tocadas num elétrico limpo para pesada parede arrasadora de distorção de guitarra, tropeçando no blues rock, rock progressivo dos anos 70 e metal dos anos 80. É como uma máquina do tempo musical, ou melhor, uma máquina que questiona a ideia do próprio tempo linear.
Como no trabalho anterior, em “Fear Inoculum”, as composições da banda às vezes podem parecer um enigma, ousando os ouvintes se inclinarem e descobrir exatamente o que está acontecendo. "Invincible" começa com vozes bonitas e guitarras para alguns bares, mas mesmo quando um assalto emocionante de bateria e baixo entra, há uma sensação de beleza surpreendente, como tropeçar num oásis silvestre no meio de uma zona de guerra.
O álbum também encontra os Tool explorando alguns temas musicais conhecidos: “Descending”, por exemplo, mostra o tipo de tensão de longa duração pela qual a banda é conhecida, com várias partes se movendo em diferentes direções harmônicas e rítmicas. Mas em vez de caos, há uma sensação de complexidade cuidadosamente controlada.
Mas se há um tema abrangente para o álbum, é que as coisas não são o que parecem porque a realidade está mudando constantemente. “Culling Voices” encontra o vocalista Maynard James Keenan cantando uma melodia que parece dobrar - mas não quebrar - as regras do sistema de tom ocidental. A música se revela lentamente, como uma cobra se contorcendo em sua pele velha.
Enquanto os Tool são especialistas em evocar esses tipos de momentos cinematográficos épicos, a banda prova que eles ainda podem tocar rock. Em “7empest”, um pequeno arpejo de guitarra dá lugar a um metal emocionante, cheio de angústia e raiva incipiente, entrando em espiral no controle e não fora dele.
Este é o álbum mais intrincado e denso que a banda ainda fez, mas usar a palavra como “complex” para descrever as assinaturas em todo o “Fear Inoculum” seria extremamente preguiçoso.
Um álbum que empurra e desafia seus criadores e seu público de novas formas, cujos detalhes mais precisos levarão outros 13 anos para serem totalmente revelados e apreciados.





Temas:
01. Fear Inoculum 10:22
02. Pneuma 11:54
03. Invincible 12:45
04. Descending 13:39
05. Culling Voices 10:06
06. Chocolate Chip Trip 04:49
07. 7empest 15:45
Banda:
Maynard James Keenan – vocals
Adam Jones – guitar
Justin Chancellor – bass
Danny Carey – drums, percussion, synthesizer






Sem comentários:

Publicar um comentário