domingo, 4 de agosto de 2019

LORD - Fallen Idols (Deluxe Edition) (2019) Austrália



Seis anos em construção, seis longos anos sangrentos entre os álbuns. Claro, as bandas levam mais tempo entre os lançamentos (Tool), mas como fãs, os últimos seis anos pareceram uma eternidade.
Tu sabes quantos álbuns de metal começam com um acústico suave, ritmado e suave como soprando uma folha numa brisa de outono. Então a distorção chega e tu és transformado num turbilhão de metal? Bem esquece isso! Que se lixe a introdução delicada, aqui está uma marretada no rosto! Isso é como poderoso LORD de Wollongong lança o seu álbum há muito esperado Fallen Idols. A salva de abertura é disparada com 'United (Welcome Back)'.
Bem-vindo de volta, só para esta música valeu a espera. O vocalista Lord Tim mistura entre gritos altos e grunhidos agressivos, solos de guitarra insanamente rápidos e um refrão enorme, essa música tem tudo para qualquer fã de metal da velha escola. Meu primeiro pensamento foi "grande música!". Mal sabia eu o que estava à espreita ao virar da esquina na forma de "Immortal". Os rapazes afundam seus dentes numa pequena cantiga sobre o próprio Vlad, o Empalador da Transilvânia. Canhões de metralhadora, um som de guitarra enorme combinado com o anel de assombração de um sino. Essa música é na verdade mais Iron Maiden do que a maioria das músicas dos Iron Maiden , e eu quero dizer isso com o maior respeito a ambas as bandas. Mais bateria, mais solos através da insana shredding de Mark Furtner , a entrega vocal de Lord Tim com as linhas rápidas do baixo de Andy Dowling. Ok, eu estou ficando um pouco empolgado, mas o chapéu voou quando eu comecei a abanar a minha cabeça.
Tal é o power dos LORD.
Mas espera, tem mais! Misturado com os sinais à NWOBHM, as odes ao metal extremo e o poder brutal do thrash são uma power ballad. Sim pessoal o muito ridicularizado além de praticamente todos os lançamentos de metal nos anos 80 e 90. Às vezes, a pedido da banda, mas mais do que muitas vezes uma insistência da gravadora tentando forçar um hit comercial de música que nunca deveria ser comercialmente aceitável. E sejamos honestos, não houve power ballad suficientes lançadas recentemente. Então, aqui temos "Counting Down the Hours". Esta faixa tem uma vibração real de Bruce Dickinson 'Change of Heart'. Um conto de amor perdido com os vocais Lord Tim, refrão cativante e uma boa introdução acústica.
Há tanta coisa para ouvir neste álbum que meu teclado nunca fará justiça. O que posso dizer é que este é sem dúvida o melhor álbum que os LORD lançou na sua carreira.





Temas:
CD1:
01. United (Welcome Back)
02. Immortal
03. Fallen Idols
04. Wilder Than the Wind
05. Nod to the Old School
06. Chaos Raining
07. Counting Down the Hours
08. In Dreams
09. The Edge of the World
10. Kill or Be Killed
11. Master of Darkness
12. Break the Ice (John Farnham cover)
13. Touch the Fire (Icehouse cover)
14. Wilder than the Wind (Dicks Out Mix)
CD2: Karaoke Version
01. United (Welcome Back)
02. Immortal
03. Fallen Idols
04. Wilder Than the Wind
05. Nod to the Old School
06. Chaos Raining
07. Counting Down the Hours
08. In Dreams
09. The Edge of the World
10. Kill or Be Killed
11. Master of Darkness
Banda:
Lord Tim - Vocals, Guitars (Blackened Angel, Platinum Brunette, ex-Dungeon, ex-Ilium, ex-King Oath (live))
Andy Dowling - Bass
Mark Furtner - Guitars
Darryl Murphy – Drums




Sem comentários:

Publicar um comentário