terça-feira, 1 de dezembro de 2020

Sodom - Genesis XIX (2020) Alemanha

É verdade que o regresso de Frank "Blackfire" Gosdzik ao rebanho dos SODOM levantou algumas dúvidas, mas elas diminuíram muito rápidamente uma vez que o EP do ano passado, os sinais rotineiros de vida, por assim dizer, "Out of the Frontline Trench" foi lançado. Portanto, foi mais ou menos uma dança em situação de campo minado com o que seria o resultado do novíssimo "Genesis XIX" , lançado pela SPV / Steamhammer Records.
Os SODOM no geral permaneceram o que sempre foram, um caldeirão de Thrash, uma onda inicial de Black Metal e uma espécie de punk caótico. Por outro lado, é muito fácil trilhar campos diferentes, não necessariamente desconhecidos. O recrutamento de Toni Merkel para o campo dos SODOM, como mais do que um substituto amplo para o Husky dos ASPHYX, contribuiu para as fronteiras que os SODOM fossem capazes de cruzar no novo disco, entregando montes de bateria de segunda onda Black e Death Metal, como se aqueles eram uma segunda natureza. Além disso, a força conjunta entre os eixos, Blackfire e Yorck Segatz, duas gerações misturadas numa besta de riffs e manifestações de diversos solos, fizeram com que "Genesis XIX" se tornasse mais do que o álbum normal dos SODOM.
A composição de "Genesis XIX" compartilhou elementos com álbuns anteriores dos SODOM , e não com o anterior "Decision Day" ou o clássico "Agent Orange" em particular, mas parecia muito mais memorável do que o álbum anterior com certeza. Não me interpretem mal, não é como se Angelripper and Co. enlouquecera para complicar as coisas, no entanto, a quantidade de experiência nesta formação foi capaz de criar uma fórmula um pouco diferente para a banda para estabelecer o material de uma maneira que geraria curiosidade entre os ouvintes actuais e novos.
Levando em consideração ataques ferozes de Thrash Metal como "Friendly Fire" , "Sodom & Gomorrah" e "Occult Perpetrator", junto com o ultra-sónico Punkster Thrasher, "Doutrination" e o caótico épico de tempo variado "Genesis XIX" nessas faixas era o que eu esperava dos SODOM após quatro anos.
Acrescenta a isso o elemento de produção de som que parecia mais natural do que a maior parte do material plástico sobre produzido que está acontecendo hoje em dia, cada instrumento pode ser sentido numa mixagem adequada.
SODOM , com uma medida de levar sua precisão da velha escola adiante em mais uma década de sua existência, através de "Genesis XIX" criou um apetite que não pode superar outros quatro anos e a única maneira é claro. Só espero que essa formação permaneça intacta nos próximos dois álbuns, talvez até o dia em que Tom Angelripper decidir que já basta.


Тemas:

01. Blind Superstition
02. Sodom & Gomorrah
03. Euthanasia
04. Genesis XIX
05. Nicht mehr mein Land
06. Glock N‘ Roll
07. The Harponeer
08. Dehumanized
09. Occult Perpetrator
10. Waldo & Pigpen
11.
Indoctrination
12. Friendly Fire

Banda:

Tom Angelripper - Bass, Vocals (Onkel Tom Angelripper, ex-Dezperadoz, ex-Die Knappen, ex-Bassinvaders)
Frank Blackfire - Guitars (Assassin, Frank Blackfire, ex-Mystic, ex-Kreator, ex-Wortmord, ex-Widia)
Yorck Segatz - Guitars (Neck Cemetery, ex-Beyondition)
Toni Merkel - Drums (Big End Bolt, Frank Blackfire, Interstellar Genocide, Sabiendas, ex-Pestlegion, ex-Negator (live), ex-Pighead (live))

 



Sem comentários:

Publicar um comentário