sábado, 19 de dezembro de 2020

POST DA SEMANA : Royal Hunt - Dystopia (2020) Dinamarca

Os Dinamarqueses Royal Hunt tem navegado perto da crista da onda progressivo Heavy por várias décadas, mas o vento nunca levou a banda ao topo. Na banda em torno do teclista André Andersen , a equipe foi vista ao longo dos anos como um músico talentoso, mas o regresso do vocalista DC Cooper há 10 anos parecia estar se estabilizando.
A banda saltou do selo Frontiers para a linha de auto-publicação com o álbum "Cast In Stone" lançado há dois anos , que, apesar da baixa produção, atraiu números de vendas suficientes na área de sucesso da banda no Japão para cobrir a sequência com o mesmo princípio operacional.
“Dystopia” não é tão surpreendente num quadro de conceitos. Os visitantes incluirão os ex-vocalistas da banda Henrik Brockmann , bem como Mark Boals por exemplo. Mats Levén, conhecido entre Yngwie Malmsteen , Therion e Candlemass, também estará vocalizando com o single pré-lançado “ The Art Of Dying” . Os convidados se misturam ao todo de maneira tão perfeita que sua presença não é notada. Muitas vezes, isso é um sinal de uma solução total funcionando, agora gostaria de algum tipo de distanciamento, mesmo com isso.
Royal Hunt tem seu próprio som e estilo reconhecível que às vezes até cativa o ouvinte. A banda conhece a receita para movimentos de acordes fascinantes e Andersen sozinho constantemente pinta belas imagens com seus teclados. Quando AC / DC não é um problema aqui, é imperativo questionar a decisão da banda de não deixar sua zona de conforto. O álbum temático, às vezes visto como algo arriscado, não é mais de forma alguma excepcional neste género. Não muda a música, mas quase todas as canções já poderiam ter sido encontradas na contracapa de “Cast In Stone” .
DC Cooper se encaixa perfeitamente no som da banda, mas, mesmo assim, eu estava claramente mais animado com os vocais do homem nos dias de Silent Force . A habilidade dos músicos é inegável, e não há culpa na produção, ao contrário do disco anterior. Uma vez que um disco de power/ prog de som fraco não pode ser recomendado até mesmo para o pior inimigo, "Dystopia" é uma experiência de audição relativamente indolor em comparação com " Cast In Stone".
As músicas são boas, mas a excelência foge quase que totalmente do controle. Agora, tudo o que pode ser alcançado é a balada incrível "I Used To Walk Alone", onde Boals e Alexandra Andersen finalmente trazem algo mágico para seu dueto, e o refrão cativante eleva a música a um dos destaques de toda a carreira dos Royal Hunt. No Japão, a popularidade provavelmente ainda está garantida com “Dystopia”, em outros lugares o disco dificilmente será visto no topo dos números de vendas ou playlists.


Тemas:

01. Inception F451
02. Burn
03. The Art of Dying
04. I Used To Walk Alone
05. The Eye of Oblivion
06. Hound of the Damned
07. The Missing Page (Intermission I)
08.
Black Butterflies
09. Snake Eyes
10. Midway (Intermission II)

Banda:

Andre Andersen - Keyboards (Andre Andersen, ex-Narita, ex-Witch Cross, ex-Prime Time, ex-Apart, ex-Link Wray Band (live))
D.C. Cooper - Vocals (Amaran's Plight, D.C. Cooper, ex-Missa Mercuria, ex-Silent Force)
Andreas Passmark - Bass (Rob Rock, Stormwind, ex-7days, ex-Wisdom Call, ex-Harmony, ex-Narnia, ex-Tower of Babel, ex-DivineFire)
Jonas Larsen - Guitars (Stratosphere, ex-Barock, Highway Jam, Scorpions Tribute, ex-Mala Costumbre)
Andreas "Habo" Johansson - Drums (Avatarium, Narnia, Rob Rock, System Breakdown, The Doomsday Kingdom, ex-Wisdom Call, ex-DivineFire (live))

Convidados:
Alexandra Andersen - Vocals
Henrik Brockmann - Vocals
Mark Boals - Vocals
Mats Leven - Vocals
Kenny Lubcke - Vocals




Sem comentários:

Publicar um comentário