sexta-feira, 1 de novembro de 2019

Age Sten Nilsen - Crossing the Rubicon (2019) Noruega



Åge Sten Nilsen não foi capaz de liberar o potencial de seus álbuns solo no passado, mas ao mesmo tempo o material deles provou funcionar bem durante concertos a solo. No momento em que saiu com "Crossing The Rubicon", já ouvimos parte do material ao vivo, e a questão então é se ele funciona igualmente bem no estúdio.
Como é típico de Nilsen, estamos longe do hard rock dos Wig Wam e Ammunition, e "Crossing The Rubicon" também é iniciado quase tão longe quanto se pode chegar com a fina e despojada balada de piano "Ease My Closure". A faixa-título segue, com mais órgão e guitarra, o que sugere a direção do rock pesado dos anos setenta, enquanto ao mesmo tempo há um pouco de uso resiliente dos ritmos. Isso funciona muito bem.
A turnê transita para a paisagem do country com "Ghost On The Wall", onde o sujeito também encontra seu lugar, e em três faixas Åge provou a afirmação do comunicado de imprensa de que "Crossing The Rubicon" é um disco sem género. Quando seguido por faixas de world music em "A Love Like Ours", é de certa forma uma expressão completa, e o ouvinte tem uma emocionante jornada musical aguardando os 42 minutos de duração do álbum.
Independentemente do estilo em que ele se mexa, esse é, de qualquer modo, um Åge Sten Nilsen mais moderado do que o rocker que muitos estão acostumados a ouvir, e se realmente houver algum sentido nos álbuns solo, a intenção também deve ser fazer algo diferente do que tu fazes diariamente. Nilsen parece ter sucesso, e uma música como "Into The Great Unknown" é um ótimo pop adulto, enquanto um pouco mais uptempo "Baby Don't Be Leave" é cativante e muito bom.
O homem também bate bem pop com "Fire Meets Fire", que chama sua mente um pouco para as Scissor Sisters no refrão, enquanto adiciona algumas boas linhas de guitarra ao longo do caminho. O suave uso da percussão de Eivind Kløverød é um bom tempero na crise "Jupiter & Venus", onde tu encontrarás pequenos elementos de jazz e solo de saxofone de Kåre Kolve. A banda em torno de Åge também faz um trabalho sólido, e o produtor Freddy Holm criou um som atemporal.
Em "House On Fire", Åge provavelmente foi inspirado pelos Queen, onde há uma marca peculiar no geral, que não era estranha a um álbum das lendas britânicas. A expressão um pouco mais rock que encontramos na faixa-título do álbum retorna em "What's My Name", onde Ola Aanje oferece um solo tangente em pequena escala, e novamente isso parece bom.
No geral, Åge Sten Nilsen se levantou de suas gravações solo anteriores, e o resultado é bom e variado, onde o homem deve ser capaz de se encontrar bem com um público adulto. A coisa toda termina quando ela se abre, com uma barra de piano na forma de "One (Of Your Own)", onde também há espaço para cordas e sinos.





Temas:
01. Ease My Closure
02. Crossing the Rubicon
03. Ghost on the Wall
04. A Love Like Our
05. Into the Great Unknown
06. Baby Don't Be Leave
07. Need Him Now
08. Fire Meets Fire
09. Jupiter and Venus
10. House on Fire
11. What's My Name
12. One of You Own




Sem comentários:

Publicar um comentário