quarta-feira, 27 de novembro de 2019

REDLINE - Gods and Monsters (2019) UK


REDLINE é de Birmingham, a casa ancestral do Metal. Guitarras espetaculares, uma seção rítmica bloqueada e carregada e uma verdadeira potência de um vocalista, os REDLINE criaram sua própria mistura distinta de Classic Hard Rock e British Heavy Metal. Com influências de uma rica herança, a banda foi comparada com JUDAS PRIEST, SAXON, DIO, IRON MAIDEN e uma série de outras pessoas dos fundadores do metal. "Gods and Monsters" é o seu mais recente trabalho e contém onze faixas.
O riff de abertura de "Gods and Monsters" definitivamente me lembra o movimento NWOBHM que ocorreu no final dos anos 70 / início dos anos 80. Vocalmente, Kez soa como um cruzamento entre Rob Halford e Biff Byford. "Empires" é uma música levemente mais rápida e dirigida por riff. Esta música apresenta um grande coro e um solo de guitarra fumegante. "Prayer for the Dying" é uma música pesada com o alcance vocal de Kez. Tem um tom um pouco deprimente e me lembra um bebê nascido de LED ZEPPELIN e BLACK SABBATH. Não há muita força no riff, mas o som aparece como deveria.
"Dark City" resmunga com um riff de guitarra baixo, levando a um riff mid-tempo. Tem um sentimento JUDAS PRIEST, mas novamente, sem muita força no riffing. À moda antiga, uma banda poderia se safar com apenas um riff principal, mas a música mudou hoje e é muito mais complicada. "Killer" abre com um grito de Geoff Tate, atingindo o teto. O refrão é banal e a música nunca sai do papel. "Fields of Fire" abre com guitarras limpas e nos dá nossa primeira visão real de algo diferente das cinco faixas anteriores. Tem um tom depressivo e parece real com as emoções. "Take it to the Grave" tem um pouco mais de entusiasmo, mas ainda assim ... é incomum chato e repetitivo. "Nowhere Man" é outra música mid-tempo que não consegue aterrar. Mesmo se isso fosse divulgado durante o movimento NWOBHM, ainda seria chato. Sinto muito, mas não há muito aqui para gostar.
"Hell Mary" tem um pouco mais de força para decifrar com uma atitude atrevida e um ótimo trabalho de guitarra baixo. Pode ser a melhor faixa do álbum. "Stand and Fight" é uma faixa em movimento mais rápido, que novamente depende principalmente do riff para conduzir o som. Ele tem um pouco mais de atitude e Kez dá uma ótima performance vocal. "322" fecha o álbum, abrindo com ótimas partes de guitarra. Eu retiro. Essa música é a melhor do álbum, realmente abraçando a melodia e um som sombrio e sujo ... e é um instrumento ... e Kez é a melhor parte da banda. Essa justaposição estranha resume o álbum para mim.
Primeiro, eles não podem ser uma banda do movimento NWOBHM, porque isso veio e foi décadas atrás. Segundo, embora não sejam músicos maus, eles não estão fazendo nada para promover a cena do Metal. Talvez eles estejam soando como uma banda de tributo aos grandes nomes do passado? Eles têm um ótimo vocalista que pode atendê-los de várias maneiras, mas como eles são agora, essa é apenas mais uma banda.




Temas:
01. Gods and Monsters
02. Empires
03. Prayer for Dying
04. Dark City
05. Killer
06. Fields of Fire
07. Take It to the Grave
08. Nowhere Man
09. Hell Marry
10. Stand and Fight
11. 332
Banda:
Kez Taylor - Vocals
Chris Basener - Guitar
Ade Yeomans - Guitar
Steve Reg-Hill - Bass
Mark Biddiscombe - Drums








Sem comentários:

Publicar um comentário