sexta-feira, 4 de setembro de 2020

Airforce - Strike Hard (2020) UK



A história da banda de tradicional metal inglesa Airforce remonta às origens da New Wave of British Heavy Metal (NWoBHM) e, mais especificamente, aos Iron Maiden. O baterista Doug Sampson, um dos membros fundadores dos Airforce, tocou bateria para a icônica banda de metal de 1977 a 1979. Ele apareceu na primeira demo dos Iron Maiden, The Soundhouse Tapes , de 1979 , antes de deixar a banda. Sampson mais tarde formaria os Airforce com o guitarrista Chop Pitman, o baixista Tony Hatton e Sam Sampson, seu irmão, nos vocais. A banda acabou alguns anos depois sem gravar um álbum. A partir daqui, a história dos Airforce estrá mais do que um pouco incompleta.
Aparentemente, a banda teve muitos começos e paragens ao longo dos anos até que gravaram Judgment Days de 2016 , que contou com vários músicos, incluindo vários vocalistas com Sam Sampson em três faixas. Para o seu segundo álbum, Strike Hard, os Airforce reduziram para a formação original, sem Sam, e adicionou Flavio Lino nos vocais da banda portuguesa de tributo aos Iron Maiden, Iron Beast. É muita história, mas vale a pena mencionar. Então, para o álbum.
Uma das primeiras coisas que deves notar sobre os Airforce é que eles não têm um ataque de guitarra duplo, algo frequentemente encontrado em bandas NWoBHM. (Iron Maiden tem três, mas tu sabias disso.) Mas isso de forma alguma atrapalha o som dos Airforce. Chop Pitman é um ótimo guitarrista e seus solos são fantásticos. Em segundo lugar, ouvindo Flavio Lino, tu vais entender por que ele formou uma banda cover de Iron Maiden. Embora não soe exatamente como Dickinson, Lino tem um pouco do timbre e vibração de Bruce em sua voz. Considerando as raízes dos Airforce e a conexão inicial com os Iron Maiden, ele é uma boa opção para a banda.
Quanto à música e melodias, Airforce e Strike Back oferecem, de forma simples, o tradicional rock NWoBHM com muito groove. Tu vais encontrar mais galope com o groove em músicas como Fight, Finest Hour e talvez I Feel Your Pain ou The Reaper. Mas os dois últimos não são tão rápidos quanto Fight. É mais provável que os Airforce sigam o curso do heavy metal e estável como em Son Of The Damned, War Games ou The War Inside. Em todas as músicas, vais ouvir a profundidade da seção rítmica, especialmente a linha de baixo. Como prometido, Chop Pitman arranca mais do que alguns bons solos de guitarra.
Resumindo, para uma interpretação do século 21 do clássico rock NWoBHM, Airforce e Strike Hard é um álbum sólido e divertido. Os fãs do início dos Iron Maiden irão apreciar particularmente este álbum. Estes músicos, com exceção do vocalista, não são os mais jovens, mas espero que eles voltem com outro álbum no futuro.




Temas:
01. Fight (04:48)
02. Die for You (05:06)
03. Son of the Damned (02:02)
04. The Reaper (05:20)
05. Finest Hour (05:20)
06. Don't Look in Her Eyes (03:58)
07. I Feel Your Pain (04:39)
08. War Games (05:36)
09. Band of Brothers (04:56)
10. The War Inside (05:02)
11. Faith Healer (05:16)
Banda:
Flávio Lino (vocals, ex-Deadlyforce)
Chop Pitman (guitar)
Tony Hatton (bass)
Doug Sampson (drums, ex-Iron Maiden)
Paul Di’ Anno (guest vocals)
Ivan Giannini (backing vocals)






Sem comentários:

Publicar um comentário