sexta-feira, 13 de setembro de 2019

The 69 Eyes - West End (2019) Finlândia



Já faz algum tempo desde que os góticos rockers finlandeses The 69 Eyes lançaram um trabalho e tu podes sentir que eles ficaram enferrujados nos últimos dois anos, pois o gótico se tornou mais uma tendência da moda do que um estilo de vida. Tu estás certo de que eles são definitivamente um pouco mais velhos, pois o vídeo de “27 & Done” parece ser a montra, mas esses vampiros simplesmente ainda não estão prontos para serem colocados num caixão. De fato, eles lançaram um dos seus álbuns mais fortes faz muitos anos com uma mistura fantástica de temas pesados e leves que devem agradar a qualquer fã de Type O Negative, Gothminister, Lacrimas Profundere e Tiamat, entre outros. "Two Horns Up" inicia o disco numa nota relativamente pesada com algumas influências vocais adicionadas aqui e ali, mas o West End realmente zarpa quando o single "27 & Done" entra em cena, uma música que eu assumi pela primeira vez que era sobre se aniquilar antes dos trinta anos, mas depois percebi que era sobre o infame clube das 27. A primeira vez que ouvi essa faixa, imediatamente voltei a tocá-la novamente, para garantir que o single representa o melhor deste álbum.
Todos sabemos que há mais num álbum do que em singles e é aí que entra o nosso próximo tema, “Black Orchid”, diminuindo um pouco o humor à medida que “Change” transforma a experiência num caso carregado de piano, que apresenta uma das melhores performances vocais neste álbum. Há até um pequeno espaço para um solo de rock, que alguns podem achar que está fora de lugar, embora eu considere correto. Não tira necessariamente o humor desse tema imensamente apaixonado e eu sinto que os fãs não devem se aborrecer demais com isso. Os The 69 Eyes não querem que te esqueças que eles são uma banda de rock e existem alguns riffs pesados utilizados na música. "Burn Witch Burn" quase parece o começo punk da música gótica em geral, lembrando rapidamente Bauhaus. Mais uma vez, alguns riffs mais pesados e até algumas batidas rápidas no final ajudam a dar a isso um sentimento moderno e otimista, apesar de não tirar a atmosfera sombria que os fãs já conhecem e gostam.
"Cheyanna" se baseia nisso com mais um tema digno de um single que se sente em casa para esse tipo de música. E que álbum gótico estaria completo sem um gesto para um filme de terror? Tu conseguirás isso com "Last House On The Left". Como não quero revelar muito mais sobre o disco, acho que é apropriado mencionar apenas o final influenciado pelo blues, "Hell Has No Fury", que é uma maneira perfeita de terminar uma performance deste calibre. Isso lembra um pouco de Danzig e talvez até Johnny Cash em alguns pontos. Reconhecer o homem de preto é uma nota de despedida perfeita para uma das bandas mais influentes do Goth, mesmo várias décadas depois. Muitas pessoas sabem como vestirem-se gótico e, acredita, tu podes encontrar muitos tutoriais on-line, mas para aqueles que estão no mercado desde o início, percebemos que o gótico é mais do que moda simples e representa uma cultura e um estilo de vida totalmente predominantes no West End. Simplificando, é isso que eu chamo de gótico.



Temas:
01. Two Horns Up
02. 27 & Done
03. Black Orchid
04. Change
05. Burn Witch Burn
06. Cheyenna
07. The Last House On The Left
08. Death & Desire
09. Outsiders
10. Be Here Now
11. Hell Has No Mercy
Banda:
Jyrki 69 - Vocals
Bazie - Guitar
Timo-Timo - Guitar
Archzie - Bass
Jussi 69 - Drums








Sem comentários:

Publicar um comentário