domingo, 29 de setembro de 2019

POST DA SEMANA Eloy - The Vision, The Sword And The Pyre (Part II) (2019) Alemanha



As lendas do prog alemãs regressam com o seu novo álbum dois anos após a Parte I deste conceito de duas partes (com Joan of Arc como o personagem central). A primeira parte apresentou críticas fantásticas, e com razão. Poucos álbuns conceituais, assim como Eloy, e essa não é a primeira vez que eles dividem um conceito em dois álbuns; Planets de 1981 e o Time To Turn do ano seguinte são dois dos melhores trabalhos dos Eloy.
O líder da banda, vocalista, guitarrista e membro fundador, Frank Bornemann, trabalha neste projeto no seu próprio estúdio há um ou dois anos e vale a pena esperar.
Aqui ele se junta ao baixista Klaus-Peter Matziol, teclistas Hannes Folberth e Michael Gerlach e baterista Kristof Hinz.
Os Eloy mantiveram o seu som prog atualizado ao longo dos anos, ainda é uma banda clássica de rock progressivo, mas viaja muito desde os sons dos anos 70 Floyd, Purple, Heep e Yes.
O interesse de Bornemann na história dessa lenda e legado da Idade Média começou nos anos 90 e Frank trabalhou com o Centre Jeanne d'Arc em Orléans para garantir a precisão e o nível de detalhes da história. A história também está completa, e é por isso que é contada nos dois álbuns, pois Frank não queria editá-la de nenhuma maneira.
O tema de abertura ‘An Instant Relief Still The War Rages On’ começa com um coro sobre um ritmo hipnótico que se constrói quando toda a banda entra. Há uma forte interação com guitarra e teclados, que se segue em muitas faixas.
‘Between Hopes Doubts Fear And Uncertainty’ é uma faixa mais curta, que dá mais liricamente do que musicalmente. Um bom trabalho de guitarra.
Em mais de 5 minutos, 'Patay' é um verdadeiro destaque musical, com referências aos anos 70 e 80, com alguns toques etéreos. 'Joy' prova que a banda consegue tocar com os melhores, e ao longo do álbum, enquanto guitarra se destaca com frequência, muito é orientado pelo teclado. O uso do coro é típico e clássico de Eloy, seja como 'Time To Turn or Ra', a música é perfeitamente ampliada.
As faixas que apresentam a guitarra de forma mais proeminente o fazem com calma; confirme o riff crocante em 'Armistice Or War'. Depois, há ‘Tormenting Imprisonment’, adequadamente temperamental, atmosférica. Ótimo uso de instrumentos de corda.
O álbum termina de maneira semelhante ao 'Ra' (um álbum conceitual) com 'Eternity'. Faixa adorável, uma que precisas de parar e ouvir.
Como conceito e produção, essa é bastante a ópera de rock e o clássico Eloy. Realmente precisas de ambas as partes para apreciar o conceito e apreciar os temas, vale a pena ouvir.





Temas:
01. An Instant of Relief... Still the War Rages on
02. Between Hope, Doubts, Fear and Uncertainty
03. Patay
04. Joy
05. Reims... the Coronation of Charles VII
06. Resumé
07. Armistice or War?
08. Paris
09. Abandoned
10. Compiègne
11. Tormenting Imprisonment
12. Rouen
13. Eternity
Banda:
Fank Bornemann - vocals, guitar
Hannes Folberth - keyboards
Michael Gerlach - keyboards
Klaus-Peter Matziol - bass
Stephan Emig - drums, percussion








Sem comentários:

Publicar um comentário