sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Silent Force - Rising From Ashes (2013) Alemanha




"Rising from Ashes" pode querer mesmo dizer que estão de volta depois de terem terminado, qual fénix renascida das cinzas. O titulo é apelativo e com impacto, mas comigo não pegou. Mas pensava Alex que eu acreditava que esta banda, uma das melhores que alguma vez ouvimos, tinha acabado? Devia ele estar com uma borracheira daquelas quando disse alguma vez, se é que o disse, que Silent Force se tinham silenciado de vez. Se não era possível continuar sem DC Cooper, talvez o melhor vocalista do momento, pelo menos um dos melhores de sempre; pois alguém iria ter capacidade de ocupar o seu lugar à altura, e essa vaga foi preenchida por um preferido meu, Michael Bormann. Disse sobre Bormann na review dos RedRum, que este era um autêntico camaleão no mundo do rock, tanto estava numa onda mais pop como mais metálica ou hardrock e o seu passado é algo de impor respeito. Não tem o alcance vocal de Cooper, nem a sua à vontade interpretativa, mas à sua maneira, Bormann transforma a musica e ela parece que foi feita para si e mais ninguém; não tem uma grande voz mas canta qualquer coisa com enorme classe.
Silent Force é um projecto musical de Alex Beyrodt, um dos melhores guitarristas da actualidade; versátil e eximio, junta-se-lhe a isso a sua classe compositiva, e temos alguém que vai ficar na história.
Este projecto começou por ser um icone metálico neo-clássico e um pouco prog. Com Cooper, a qualidade e classe dos discos anteriores não têm comparação, são de um nivel para lá de muita coisa. Desta vez, e com a alteração de interprete, a direcção musical, incorporou mais o HardRock, algo que Alex tem vindo a fazer com o seu outro projecto Voodoo Circle. Mesmo assim, o poder do power é forte neste disco, Obi Wan! Alex chamou para esta nova batalha, o seu velho amigo de armas, Matt Sinner e com alguma sorte, conseguiu o salta-pocinhas do Alessandro DelVecchio para os teclados. André Hilgers, o outro membro original do projecto, encarrega-se novamente da trovoada (Drums).
São 10 temas de pura energia Hi-Octane do pincipio ao fim em que fica aquele sabor de muito pouco. Demasiado bom! Grande produção, forte e cheia, enormes arranjos, potentes riffs, ora hard, ora heavy, auto-estradas de poder a 1500 cavalos; teclados gloriosos a jogar samplers e hammond, e solos de rasgar as ondas sonoras. A veia é mais hardrocker comercial mas descarrega o power com mixes de teclados progs e vocais desgarrados, imagem de marca de Bormann. (Atentem a: Born to be a fighter).
Estavamos habituados a entregas maiores, e apesar de tudo, mais interpretativas; exemplo do que digo é o 2º àlbum Infatuator; quem é o macho que não acha esse o melhor disco da banda? Aquele tema Gladiator é fenomenal, ou não fosse alusivo ao filme com o mesmo nome, aquele filme de machão que a malta mais gosta de Russel Crowe. Bom, de qualquer modo, o 1º tema rasga a manta com imagens vindas dessa era e com um riff ou linha principal de Malmsteen, do disco Eclipse, mais especificamente do tema "Motherless Child". O restante atira-se para a frente numa dose feroz de vontade de nos mostrar que estão aí e para as curvas, sem baladas, só jet-fuel.
Como disse no inicio deste texto, nunca acreditei que pudesse este projecto ter terminado, isto é demasiado bom para ficar sem continuidade e com este disco segue em frente a todo o gás, muito mais virá. Grandioso disco, vai agradar a uma mais vasta audiência, com toda a certeza! Nota máxima! É preciso recomendar?
McLeod Falou!

  



Тemas:
01. Caught in Their Wicked Game 04:39
02. There Ain't No Justice 04:55
03. Circle of Trust 04:39
04. Living to Die 04:47
05. Before You Run 04:31
06. You Gotta Kick It 04:10
07. Turn Me Loose 05:06
08. Born to Be a Fighter 03:39
09. Anytime Anywhere 04:22
10. Kiss of Death 03:52

Banda:
Michael Bormann - Vocals (PowerWorld, Redrum, ex-TAX, ex-The Sygnet, ex-Biss, ex-Bloodbound, ex-Letter X, ex-Bonfire)
Alex Beyrodt - Guitars (Missa Mercuria, Primal Fear, Sinner, Voodoo Circle, Mat Sinner, ex-The Sygnet, ex-Wild Axes)
Mat Sinner - Bass (Primal Fear, Goddess Shiva, Kiske / Somerville, Sinner, Voodoo Circle, Mat Sinner, ex-Rick Renstrom, ex-Scheepers (live), ex-Beast of Prey, ex-Cans)
Alessandro Del Vecchio - Keyboards (Edge of Forever, Gianluca Ferro, Brunorock, Hardline, Moonstone Project, ex-Eden's Curse, ex-Fury N Grace, ex-Strings 24)
André Hilgers - Drums (Lingua Mortis Orchestra, Rage, Sinner, ex-Ninja, ex-Nuclear Blast Allstars, ex-The Sygnet, ex-Universe, ex-Axxis, ex-Empire, ex-Razorback, ex-Vanize, ex-Mendacious Messiah, ex-Noisehunter (live), ex-Regicide (live), ex-Bourbon $treet)



Sem comentários:

Publicar um comentário