sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

Thorbjorn Risager and The Black Tornado - Come On In (2020) Dinamarca


Desde 2003, o guitarrista, vocalista e compositor dinamarquês Thorbjørn Risager oferece sua própria marca mutante de blues. Sua banda Black Tornado é composta por duas guitarras, baixo, bateria, um par de saxofones, trompete e teclados. Come on In é o quarto álbum da gravadora alemã Ruf e o 12º no geral. A voz rica, ressonante e grave de barítono do Risager é partes iguais de Ray Charles, Billy Gibbons, JJ Cale e Leon Redbone. Nenhuma outra banda é como Black Tornado. Eles são capazes de fervilhar, meditar, jazz noir-ish, rock pantanoso, R&B sensual, funk da parte alta da cidade e blues de house-rock derivado das linhagens entrelaçadas de Chicago, Texas e Delta. A faixa-título é um estrangulador. As cornetas pulsam no tempo com um sintetizador analógico, uma linha de baixo agitada e bateria com timbre duplo. É uma reminiscência de "Shanghaied" de Cale em seu futuro álbum de blues, Travel-Log. É uma das poucas músicas modernas de blues que estariam igualmente em casa num bar de blues ou numa boate. "Last Train" usa guitarras elétricas e deslizantes na introdução. É mais tradicional, com uma guitarra vamp e acordes-E. Quando o resto da banda entra, recorda faixa dos ZZ Top, Deguello. Compare isso com "Nobody But the Moon", onde ritmos caribenhos, jazzístico B-3 e soul se misturam por trás da entrega gutural de Risager. "Two Lovers" é um blues urbano pós-meia-noite. As cornetas flutuam através de guitarras picantes e percussão com teclas atmosféricas que sustentam o vamp. Risager canta devagar, enunciando cada sílaba com pavor e resignação. Tanto "Never Givin 'In" como "Sin City" estão ligados à profunda tradição Delta, a mesma que nos deu o Mississippi Fred McDowell e RL Burnside. "Over the Hill" é um jump blues encharcado de cornetas, pontuado por palmas e pela guitarra de Joachim Svensmark. Enquanto "On and On" retira-se para as sombras pós-meia-noite com o granulado gemido do Risager dos blues de partir o coração, Black Tornado toca no apoio como se estivessem na esquina sob uma lâmpada de rua solitária. Seu drama, tensão e desejo combinam paixão e dor como se fossem uma única emoção. "Love So Fine" lembra os ZZ Top do início dos anos 70 (com cornetas), lamentando através de um sobrecarregado blues boogie, com guitarras super-afiadas e piano vertical. O conjunto termina com "I'll Be Gone". Risager é o mais expressivo, pois ele e Svensmark negociam licks de guitarra elétrica e guitarra acústica. Enquanto, Come on in empresta liberalmente muitos princípios de músicas com raízes diferentes, o resultado final é único. Risager e Black Tornado tem a confiança de uma banda que está junto há muito tempo. Eles são ricos em conhecimento, com certeza, mas também confiam em suas habilidades coletivas de extrair os pontos fortes de um indivíduo e oferecer uma paleta de sons e características que, se tentados por qualquer outra equipa, não funcionariam. Come on In é facilmente a mais forte de suas gravações até hoje; é aquele que vai adorar e encantar novos ouvintes, além de gratificar e satisfazer os fãs de longa data.





Temas:
1.Come on In
2.Last Train
3.Nobody but the Moon
4.Two Lovers
5.Never Givin' In
6.Sin City
7.Over the Hill
8.On and On
9.Love so Fine
10.I'll Be Gone
Banda:
Thorbjørn Risager - voc, gtr
Emil Balsgaard - keys, pia
Peter Skjerning - gtr, bg voc
Kasper Wagner - sax
Hans Nybo - sax
Peter Kehl - trumpet, bg voc
Søren Bøjgaard - bass
Martin Seidelin - drums, bg voc








Sem comentários:

Publicar um comentário