sexta-feira, 9 de outubro de 2020

DGM - Tragic Separation (Japanese Edition) (2020) Itália

Já faz tanto tempo? Já se passaram quatro anos desde que os DGM da Itália lançaram um novo álbum de estúdio. Após o lançamento de The Passage 2016 , os DGM encontraram tempo para gravar um DVD ao vivo de um show em Milão. Agora a banda regressa com o seu décimo álbum, Tragic Separation , "um álbum conceitual sobre a vida e o caminho de todos os que percorrem entre as escolhas que fazem e as consequências subsequentes que trazem para a vida humana". Musicalmente, o álbum encontra os DGM, talvez, ainda mais furiosos do que antes. Além de leves momentos suaves, a maioria das músicas de Tragic Separation podem ser melhor descritas como um progressivo power metal rápido e pesado, denso e intenso. O epicentro dessa contingência musical é a parede forte e estridente de riffage que, por sua vez, é encorajada e intensificada pela seção rítmica estrondosa. Os teclados apenas adicionam ainda mais densidade aos arranjos. Em seguida, a velocidade do power metal e o groove entram em ação, com todas as coisas levando a um solo de guitarra entusiasmado e intenso de Simone Mularoni. Os arranjos das músicas, em partes, mostram o tecnicismo e a intriga do metal progressivo, mas é difícil captar as nuances quando o metal está tão furioso. Além disso, nessa mistura está a voz do vocalista Marco Basile que parece ter apenas um propósito: ficar quase obliterada pela intensidade do power metal. Talvez não seja tão mau, mas eu não conseguia entendê-lo tão bem. Bons exemplos desse rugido e fúria do power metal vêm com Stranded, Surrender, Fate e Hope. No entanto, com o tema do título, Tragic Separation, a intensidade é antecipada por uma bela abertura de piano e violino (quase lembrando Kansas) antes que as coisas fiquem barulhentas e rápidas. Além disso, nem todas as músicas são marcadas por um solo de guitarra singular de Mularoni. Pelo menos três músicas, Flesh And Blood, Tragic Separation e Turn Back Time apresentam o teclista Emanuele Casali oferecendo um duelo de solo de sintetizador. Pode haver mais, mas entre a densidade e a intensidade de cada música, posso ter perdido. A música estranha é a música de encerramento, Curtain, um instrumental apresentando apenas guitarra acústica e teclados suaves. Tudo dito, Tragic Separation encontra os DGM girando os botões para o máximo, oferecendo aos ouvintes seu prato mais rápido e pesado, denso e intenso de progressivo power metal até hoje.


Temas:

01. Flesh And Blood
02. Surrender
03. Fate
04. Hope
05. Tragic Separation
06. Stranded
07. Land Of Sorrow
08. Silence
09. Turn Back Time
10. Curtain
11. Land of Sorrow (Orchestral Version) [Japan Bonus Track]

Banda:

Fabio Constantino - Drums (ex-Carnal Rapture)
Andrea Arcangeli - Bass (Ark Ascent, Hevidence, Noveria, Solisia, ex-Concept, ex-Airlines of Terror, ex-River of Change, ex-Thy Mortal Eyes)
Simone Mularoni - Guitars (Lalu, Lione / Conti, Sunstorm, Sweet Oblivion, ex-Empyrios)
Emanuele Casali - Keyboards (Astra, Sweet Oblivion, ex-Noveria, ex-Empyrios)
Mark Basile - Vocals (ex-Mind Key)



Sem comentários:

Publicar um comentário