segunda-feira, 17 de agosto de 2020

Butterfly - Doorways of Time (2020) Austrália

 

O álbum de estreia dos Butterfly não é nem um pouco tímido em relação às inspirações do rock dos anos setenta. Isso se torna imediatamente aparente com a arte da capa contrastando os Vikings e um título místico com um nome de banda inócuo, mas a música toca como uma coleção de Montrose, Uriah Heep e Budgie, entre outros. Sua atitude de espírito livre é comparável à de seus contemporâneos em Freeways e pode-se ocasionalmente detectar indícios de nebulosidade sobrenatural em linha com Tanith e Brimstone Coven. Essa visão vibrante de Doorways Of Time (lançado de forma independente) é ainda mais reforçada por alguma musicalidade divertida. As guitarras chamam mais atenção, constantemente interpondo harmonias e solos na tradição dos Thin Lizzy com riffs que são firmes sem perder o senso de arrogância. A seção rítmica também é sólida como uma rocha, pois a bateria está ocupada sem ficar muito complicada e o baixo é consistentemente robusto. Esses elementos podem tornar os vocais fáceis de ignorar em comparação, mas as melodias são envolventes, e os falsettos ocasionais ajudam muito a dar corpo ao que, de outra forma, seria o ditado profissional. A composição também é bastante dinâmica, já que as faixas fluem em diferentes ambientes ao longo do álbum. 'Desert Chase' e 'Climbing a Mountain' começam o álbum com um golpe duplo, o último invocando AC / DC com um conjunto de riff particularmente cativante, enquanto 'Sin' combina o groove de 'Wanton Song' dos Zeppelin com um forte coro. Indo mais longe, a faixa-título oferce alusão de psicodelia que é totalmente adotada em 'The Night Is On Its Way' e 'Nobody', e 'Crawling' contribui para uma culminação climática das várias influências em exibição. No geral, o álbum de estreia dos Butterfly é um agradável mergulho no Classic Rock que evita parecer muito derivado. Embora haja momentos em que me encontro desejando um pouco mais de força, particularmente com os vocais e bateria, uma combinação de musicalidade envolvente e ganchos é mais do que suficiente para compensar isso. O amor da banda pelo estilo é sempre palpável e pode-se imaginar que fica ainda mais profundo com o desenvolvimento. Entretanto, esta é uma audição descontraída que é tímida entre as melhores, mas ainda se encaixa.


Temas:
1. Desert Chase (04:41)
2. Climbing a Mountain (03:51)
3. Doorways of Time (06:19)
4. The Night Is On Its Way (02:35)
5. Nobody (03:26)
6. The Sin (03:20)
7. Heavy Metal Highway (04:25)
8. Crawling (06:44)
9. The Scorpion (01:41)
Banda:
Phil Gresik – bass / vocals
Rob Wog – drums / vocals
Luke Robertson – guitars / vocals
Phillip T. King – guitars / vocals

Sem comentários:

Publicar um comentário